Carta aos paroquianos

Carta aos paroquianos

Versão para impressão

Aos paroquianos que o são de facto e aos que o são por opção, quero lembrar a amizade que ficou em mim, fruto da nossa convivência fraterna ao longo de mais de quarenta anos.


Recordo o grupo dos “Guardiães” da Sé Velha que deram um notável apoio a todas as iniciativas de ordem cultural, cultual e recreativa.


Quero também referir o especial serviço prestado à Igreja através da criação e manutenção do Centro Social Paroquial, tanto ao nível das famílias pela educação proporcionada aos seus filhos, como ao nível dos idosos, englobando também a meritória obra da Santa Casa.


Com muita modéstia a Sé Velha foi dando o seu contributo ao longo destas quatro dezenas de anos, com a ajuda das Criaditas dos Pobres e das Conferências Vicentinas.


Lembro ainda, que a alma da Sé Velha foi muito enobrecida pelas orquestras e coros que a projetaram como lugar de eleição em alguns concertos e celebrações litúrgicas.


No seu lugar próprio e com o esforço de muita gente foi possível manter a atividade catequética. Na área da juventude, registaram-se iniciativas do C.N.E. e das instituições locais, nomeadamente do Colégio de S. Caetano e da Casa de Infância Dr. Elísio de Moura.


Por fim, quero lembrar as honrosas e apreciáveis prestações de todas as Comissões Fabriqueiras, destacando o elevado espírito de sacrifício e competência em diferentes domínios. Cabe aqui uma referência especial à última Comissão que muito se empenhou na criação e manutenção deste “site” da Sé Velha.


À guisa de palavra final, deixo-vos a minha profunda gratidão e um apelo a que continueis a viver a Igreja, mantendo-a viva.


Um grande abraço em Cristo deste sempre vosso que vos deseja tudo de bom.


P. João Evangelista