FÉ e Feira Medieval

FÉ e Feira Medieval

Versão para impressão

 

A feira medieval de Coimbra, que se realiza à sombra da Sé Velha, foi estruturada desde o seu início por mestres da história medieval e especialistas em conservação de valores antigos que entenderam por bem manter o sentido medieval da feira incluindo nela uma celebração litúrgica e uma bênção ritual.


A visita ao monumento só há poucos anos foi incluída no programa geral do evento. Desde o início que as manifestações religiosas e posteriormente a visita cativaram feirantes e admiradores em grande número.


A ligação entre o sagrado e o profano não tem revelado qualquer hostilidade nem dificuldades. Tornou-se uma experiência admirável de cultura e de respeito pelas lições da História. Seria por demais notório e aberrante que a reconstituição dum cenário medieval excluísse a religião.


Ao intitular esta nota informativa de Fé e feira Medieval, tivemos em conta a distância que cobre os interesses humanos, espirituais e materiais. Assim, a religião afirma-se no transcendente, no mistério, na descoberta da moral e da liberdade profunda do ser humano. A feira vive da troca comercial, de negócio, das diversões e mantimentos.


Na Feira Medieval, no entanto, os atos religiosos aperfeiçoam-se, descobrem valores comuns sem precisar de alterar as práticas de hoje pelas práticas antigas: há entre elas uma prática comum que enobrece. Nas práticas feirantes há sempre uma procura do antigo, do exótico, do exaltante de emoções, novas descobertas quer nos comeres quer nos divertimentos.


Terminamos com o convite que é feito aos feirantes para receberem a Bênção.


“Atenção ricos homens, gente da gleba e arraia miúda.

Atenção artífices e jograis.

Atenção forasteiros e feirantes, vai ser dada a Bênção à feira.

A Bênção de Deus é sempre generosa e magnânima, mas não atinge a sua eficácia visível  sem a colaboração dos homens.”


Monsenhor João Evangelista

Quinta, 11 Junho 2015 17:44