Estatísticas


Warning: Creating default object from empty value in /home/pontopo1/public_html/seVelha/modules/mod_stats/helper.php on line 106
Visualizações de conteúdos : 515139


 

igrejasevelha@gmail.com

239 825 273


Horário das Missas

Segunda a Sexta - 18 H

Sábado - 19 H

Domingo - 10 H


 

" Sé Velha, o lugar mais carregado de significado espiritual e eclesial em toda a nossa cidade e diocese de Coimbra. O facto de ter sido consagrada como Igreja Mãe e dedicada a Santa Maria de Coimbra sintetiza a teologia acerca da relação indissociável entre Maria e a Igreja, a Mulher e Mãe e o Povo de Deus ou Povo de Filhos. " (08/12/2015)


D. Virgílio do Nascimento Antunes, Bispo de Coimbra

 

Atendimento Paroquial (Cartório Paroquial)

De Segunda a Sexta, da 10 h - 12 h e das 14:30 h - 18:00 h, na Residência Paroquial.


SÉ VELHA no Facebook em https://www.facebook.com/SeVelha?fref=ts

e

https://www.facebook.com/groups/Se.Velha.Coimbra/

 

SÉ VELHA no Twitter em https://twitter.com/SeVelhaCoimbra


A Sé Velha é uma igreja aberta ao Culto e ao Turismo.
Nesta Catedral está sediada a comunidade paroquial católica de São Cristóvão, da Diocese de Coimbra, desde início do séc XIX, com a missão de zelar pela sua conservação e nela manter a prática do culto.
A Sé Velha de Coimbra é um dos edifícios em estilo românico mais importantes de Portugal.



 

Old Cathedral of Coimbra

Old Cathedral of Coimbra

CATEDRAIS DE PORTUGAL

CATEDRAIS DE PORTUGAL

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail

Com uma apresentação inicial do Presidente dos CTT, Francisco Lacerda, recebemos uma publicação recente com muito belo aspecto mas de conteúdo contrastante.


“ As nossas vinte e sete Catedrais são obras de devoção sobretudo medievais, revelados em obras de Arte, pilares do céu, definidores da paisagem urbana, marcos de memória e de agregação das nossas gentes.”


“ As Catedrais Portuguesas, todas e cada uma delas, têm um inestimável valor religioso, histórico, artístico e patrimonial, como muito bem foi referido no acordo que reuniu o Ministério da Cultura e a Conferência Episcopal Portuguesa no projecto impar de recuperação e desenvolvimento – a Rota das Catedrais -, criado não apenas para acudir a situações de mais evidente degradação, mas sobretudo para alcançar a capacitação plena das catedrais através de uma qualificada intervenção de recuperação e conservação.”


Ao apresentar a Sé Velha, alguns textos e as gravuras que nesta edição se incluem dão-nos conta duma obra imortal, ao serviço do culto, da arte, da história e da simbologia cristã, onde se escondem e revelam os mistérios de Deus e dos homens que os procuram.


As verdadeiras glórias da Sé Velha de Coimbra são os homens e as mulheres que aqui se valorizaram e foram grandes na santidade e no saber e encheram o mundo.


Igualmente impulsionadores das grandezas da Sé Velha de Coimbra, foram e são as instituições que a emolduram desde a Universidade a Santa Cruz e às dezenas de conventos onde o ensino e a formação da juventude atiraram para o mundo centenas de missionários ao serviço da fé Cristã, da língua Portuguesa e de obras de bem fazer.


Por tudo isto não faz nenhum sentido a frase com que se termina a apresentação da Sé Catedral de Coimbra “ Este templo manteve o estatuto de Catedral até 1772, altura em que estas funções passaram para a igreja da Companhia de Jesus, em consequência da Reforma Pombalina da Universidade.”


Mas nós estamos vivos, somos a Catedral de Coimbra, a Igreja-Mãe da Diocese, reconhecida pelos Pastores que nos conduzem e orientam em nome de Cristo.


Dispensamos esta publicidade “ e se, numa leitura global, a igreja, enquanto edifício, é interpretada como representando o corpo místico de Deus, em que as pedras são simbolicamente os fiéis e em que se evoca a Jerusalém celeste, já a sua elevação em direção ao “céu” é para os cristãos o símbolo vivente da unidade criativa do grande Arquiteto do Universo.”


Esperamos que a Rota das Catedrais, o Ministério da Cultura e a Conferência Episcopal e os CTT nos reponham na vida e nos livrem destes “ teólogos ” que nos envergonham.


Monsenhor João Evangelista

Quarta, 20 Abril 2016 15:01